domingo, 25 de fevereiro de 2024

Desembargador anula convenção do União Brasil e Felipe Rigoni perde comando do Partido

 

 

O desembargador Arthur Neiva, do Tribunal de Justiça do Estado (TJES), recuou na decisão liminar que tinha dado no início do mês passado e, numa nova decisão ontem (04), suspendeu a convenção partidária do União Brasil que elegeu o ex-deputado federal e secretário estadual de Meio Ambiente, Felipe Rigoni, para o comando do partido no Espírito Santo.

Além de anular a eleição do diretório, a decisão também suspende “quaisquer direitos inerentes ao exercício do cargo, inclusive a movimentação das contas partidárias”. Ou seja, Rigoni não é mais presidente do União Brasil e o partido, no Estado, hoje está sem comando e sem acesso às contas.

O magistrado reformou sua decisão após analisar os autos “com maior profundidade” e constatar que o diretório estadual foi eleito “irregularmente”, na convenção, por não observar o quórum mínimo de 3/5 dos convencionais (membros com poder de voto), tese defendida pelo autor da ação na Justiça, Amarildo Lovato.

Amarildo já foi presidente do PSL – sigla que fundiu com o DEM formando o União Brasil –, perdendo o posto para o ex-deputado Alexandre Quintino que, por sua vez, também deixou o comando quando a sigla virou União Brasil.

Após uma articulação nacional, Rigoni assumiu a Comissão Provisória do partido após vencer uma queda de braço com a família Ferraço – o deputado Theodorico, o vice-governador Ricardo e a ex-deputada Norma Ayub. Eles formavam a cúpula do DEM no Estado e, após a fusão, acabaram deixando a nova legenda.

À frente do União, Rigoni chegou a ensaiar uma candidatura ao governo no ano passado, mas recuou e disputou a reeleição à Câmara Federal, não tendo sucesso. No primeiro turno fez dobradinha com o Republicanos e apoiou apenas a candidatura de Erick Musso ao Senado. Já no segundo turno, o União Brasil apoiou a reeleição de Casagrande e passou a fazer parte da gestão, nesse mandato, com a pasta de Meio Ambiente.

No último dia 27 de abril, Rigoni realizou uma convenção do partido e promoveu a eleição do diretório, tendo sido eleito para continuar à frente da sigla. Porém, Amarildo entrou com uma ação na Justiça contestando a convenção, alegando irregularidades no rito.

GUERRA DE LIMINARES

No dia 26 de maio, Amarildo conseguiu uma liminar, na 3ª Vara Cível, suspendendo a convenção e tornando sem efeito a eleição do diretório. O juiz Jaime Ferreira Abreu atendeu à tese de Amarildo que alegou que na convenção não estavam presentes 3/5 dos convencionais para a deliberação da eleição.

Rigoni recorreu ao TJES e o desembargador Arthur Neiva, relator da ação, suspendeu a liminar da primeira instância, alegando que a convenção contou com quórum mínimo – recurso de Rigoni afirmava que de 20 convencionais, 13 estavam presentes – e que Amarildo não estaria filiado ao União Brasil, por isso, não teria legitimidade em seu pleito. Foi devolvido, então, o comando para Rigoni.

Porém, Amarildo anexou documentos que mostrariam que ele havia se filiado ao União, via diretório nacional, em 31 de março deste ano, o que fez o desembargador reconsiderar na decisão que deu ontem.

“Desta forma, ao menos por ora, entendo que a legitimidade ativa do recorrente encontra-se lastreada por prova mínima suficiente a autorizar o provimento liminar”, diz trecho da decisão.

O relator então passou a analisar a questão do quórum e citou que de acordo com as informações fornecidas, na data da convenção, existiam 20 convencionais aptos a votar e no mínimo 12 (3/5) deveriam estar presentes na convenção para a deliberação de qualquer matéria.

Porém, “após empreender uma análise minuciosa do documento de ID 5096849 – pág. 4 (lista de presença da assembleia realizada na data do 27/04/2023)”, o desembargador afirmou ser possível identificar apenas 11 assinaturas, o que não atingiria o quórum necessário. Na primeira liminar dada, o desembargador levou em conta o dado registrado pelo juiz de 1ª instância, que considerou 13 convencionais presentes. O relator, então, suspendeu a convenção.

Mas a decisão de ontem do desembargador não foi a única. Enquanto tramitava esse recurso no TJES, um aliado de Amarildo entrava com outra ação, na 3ª Vara Cível, pedindo a mesma coisa: anulação da convenção partidária do União Brasil, citando os mesmos motivos.

Emerson Nascimento de Oliveira, que já foi presidente do PSL em Aracruz e que agora é filiado ao União, assinou a ação a pedido de Amarildo. A decisão liminar também saiu ontem e foi assinada pelo mesmo juiz da ação de Amarildo – Jaime Ferreira Abreu.

Na decisão, o juiz também afirma que numa análise melhor dos autos percebeu que havia apenas 11 e não 13 convencionais presentes na eleição. “Veja-se que como a premissa fática que estava equivocada era deste juízo – o número de presentes, que não era de 13, mas de 11 – com esta decisão inexiste qualquer violação ao entendimento da instância superior, consignado na decisão do agravo no feito apenso”.

E acrescenta: “Com base nesta patente ilegalidade, que por si só macula a convenção, entendo pelo deferimento da tutela, consignando a urgência, já que as deliberações tomadas na ocasião vão gerar efeitos, inclusive podendo ter natureza financeira, sendo evidente que a questão não pode aguardar a decisão final de mérito”. Ao todo, são quatro decisões sobre o assunto. Até agora.

Toda essa briga não é apenas para sanar um rito formal da convenção. Às vésperas de mais uma eleição municipal, Amarildo – que já foi candidato a prefeito de Vila Velha – quer presidir o União Brasil e está se movimentando, nacionalmente, para isso.

À frente da Diretoria de Projetos Especiais da Aderes – Agência de Desenvolvimento das Micro e Pequenas Empresas que é ligada à Secretaria Estadual de Desenvolvimento (Sedes), que por sua vez é comandada pelo vice-governador Ricardo Ferraço (PSDB) –, Amarildo afirmou que tem a garantia de que irá presidir o partido no Estado.

Amarildo afirmou que o presidente nacional da legenda, Luciano Bivar, vai colocá-lo à frente de uma nova Comissão Provisória Estadual para comandar o União-ES. “Estamos alinhados. Sou amigo do Luciano Bivar há mais de 10 anos”.

Ele disse que só ficou sabendo da convenção convocada por Rigoni após a eleição do diretório. “A Justiça reconheceu que a eleição de Rigoni foi feita de forma incorreta”.

Matéria relacionada

Cariacica + Perto de Você: diversos serviços de cidadania neste sábado (24)

Cariacica + Perto de Você: diversos serviços de cidadania neste sábado (24)

    A população de Porto Novo vai poder conferir diversos serviços de cidadania na 16ª edição do Cariacica + Perto de Você, que acontece neste sábado (24), no antigo

PL de Cachoeiro vai anunciar nome de pré candidato a Prefeitura na próxima 5° feira

PL de Cachoeiro vai anunciar nome de pré candidato a Prefeitura na próxima 5° feira

  Após os dias acelerados na cidade de Cachoeiro, onde o vereador Júnior Corrêa (PL) decidiu retirar seu nome da disputa, o PL agiu rápido e vem arquitetando seu palanque

Assembleia Legislativa do Espírito Santo celebra 150 da imigração italiana com exposição interativa

Assembleia Legislativa do Espírito Santo celebra 150 da imigração italiana com exposição interativa

  A Assembleia Legislativa do Espírito Santo inaugura no dia 21 de fevereiro a exposição "Camata - A Voz da Imigração Italiana", uma experiência única que homenageará o saudoso líder

As mãos de Ferraço no episódio Juninho Correa, será?

As mãos de Ferraço no episódio Juninho Correa, será?

  Fontes revelaram que o ex-prefeito e atual deputado estadual Theodorico Ferraço foi na desejada macieira do Partido Liberal cachoeirense (PL), pegou a bela maçã, poliu e a jogou no

Primeiro dia do Carnaval no Centro de Vitória reúne 100 mil pessoas

Primeiro dia do Carnaval no Centro de Vitória reúne 100 mil pessoas

  O início do Circuito da Folia na capital capixaba foi marcado pela presença de aproximadamente 100 mil foliões, celebrando o início do Carnaval. Uma iniciativa inédita da Prefeitura Municipal

Assembleia retoma sessões ordinárias com 32 projetos na ordem do dia

Assembleia retoma sessões ordinárias com 32 projetos na ordem do dia

  A primeira sessão ordinária de 2024 da Assembleia Legislativa do Espírito Santo (ALES) ocorre nesta terça-feira, 6 de fevereiro, às 15 horas. O presidente da casa de leis capixaba,

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima