domingo, 25 de fevereiro de 2024

 

MUG é campeã do Carnaval de Vitória

 

As referências à Princesinha do Norte que ganharam o Sambão do Povo do início ao fim do desfile da Mocidade Unida da Glória (MUG), levaram a escola de Vila Velha e quinta agremiação a desfilar pelo Grupo Especial no Carnaval de Vitória ao título.

 

O resultado da apuração foi divulgado no início da noite desta quarta-feira (15). A vermelho e branco homenageou a cidade de Colatina, que completou 100 anos de emancipação política em 2021.

 

O enredo “A caminho das terras do Sol Poente”, assinado pelo carnavalesco Petterson Alves, que tem uma história de muitos capítulos e títulos com a MUG, usou da irreverência e da licença poética carnavalesca para cantar fatos, causos, histórias, tradições e curiosidades colatinenses.

 

O carnaval de 2023 foi o retorno dele à agremiação com quem já havia escrito uma história de 10 anos. Após oito carnavais distantes, Petterson voltou a assinar o desfile da MUG. “É um mix de emoções. Foram oito anos fora de casa e agora estamos, mais uma vez, com um grande desfile, muito dourado, vermelho e branco. Apostamos no nosso trabalho para sermos consagrados. A surpresa do desfile é o primor em cada fantasia em cada detalhe de cada alegoria. O nosso leão vem diferente!”, disse no dia do desfile.

 

O desfile da MUG:

1572 – Luta, bravura, vitória. A tentativa de colonizar

A escola, que foi vice-campeã do carnaval em 2022, convidou os foliões a embarcarem em sua Maria Fumaça com destino ao Noroeste do Espírito Santo. Na comissão de frente, “Atenção! O tempo é passageiro”, o coreógrafo Marcelo Lages levou leões bilheteiros junto a um condutor dessa viagem.

 

Uma viagem ao passado para contar a história da colonização do vale do rio Doce, habitado por tribos indígenas da etnia Botocudos. A busca pelo ouro levou os primeiros exploradores à região. Um dos símbolos da cidade, o pôr do sol, inspirou a fantasia do primeiro casal de mestre-sala e porta-bandeira da escola, Hudson Maia e Klaura Costa.

 

1899 a 1906 – Sob a Influência das raças

No segundo setor da escola, a miscigenação e a homenagem à Colatina Soares de Azevedo, que foi primeira-dama do Espírito Santo, casada com o governador Muniz Freire. As baianas da escola, com a fantasia “Dama de vanguarda” marcada pelo vermelho, uma das cores da escola, passaram rodopiando com muita elegância e portando sombrinhas de renda na passarela do samba. Na ala, a mais experiente era dona Penha de Castro, com 75 anos e muito amor pela escola.

 

A ala do passo marcado, coreografada por Magno Encarnação, entrou no Sambão com três fantasias diferentes, representando indígenas, negros e brancos, as três etnias que se encontraram no vale do Rio Doce e formaram a população da cidade.

 

“A gente entrou na avenida para fazer um espetáculo e fizemos. O Carnaval de Vitória é a realização maior do mundo do samba no Espírito Santo, tem que respeitar a nossa folia”, afirmou.

 

Tradição da escola de Vila Velha, o carro abre-alas veio imenso, com duas partes acopladas, formando uma belíssima Maria Fumaça, que atravessou o destino de Colatina com a chegada da estrada de ferro Vitória-Diamantina, que mais tarde seria expandida e se tornaria a estrada de ferro Vitória-Minas, ativa até hoje.

 

1906 a 1921 – Ecoam o Progresso, as Revoltas e Revoluções

A vila, que tinha sua sede em Linhares, foi crescendo e, com ela, o desejo de se emancipar. Para contar esse período de história, a escola levou para a avenida a revolta de Xandoca, que chegou a transferir a capital do Espírito Santo para Colatina, além da representação dos coronéis da República Velha. Os passistas, “Jagunços de Calmon”, encarnavam os personagens que garantiam o chamado voto de cabresto, fazendo vencer as eleições os escolhidos pelos coronéis.

 

Reinando absoluta à frente de seus ritmistas, Fernanda Figueredo estava vestida de “Dormentes do progresso”, com a missão de preparar os caminhos para o progresso de Colatina. Sua majestade também desejava levar a Pura Ousadia às notas 10 dos julgadores. Conduzidos pela dupla de mestres Lucas Massariol e João Henrique Azevedo, os componentes estavam vestidos de maquinistas e mantiveram a bateria da escola a todo vapor durante todo o desfile.

 

Com a boa fase econômica, imigrantes e colonos desembarcaram na vila que, em 30 de dezembro de 1921 se tornou município.

 

O tripé “Pilares da economia” representou a primeira fase de desenvolvimento da cidade, com a exploração de madeira e a pecuária.

 

1921 a 1950 – Da emancipação à Princesinha do Norte

A plantação de café transformou Colatina na maior produtora do grão do mundo. Nesse setor, a velha guarda da escola representou os grandes cafeicultores. O café, aliás, já foi enredo da MUG e resultou num dos sambas mais cantados e exaltados do carnaval capixaba. Entre os baluartes da MUG, destaque para dona Eurides Luiza de Souza Moreira, com 76 anos.

 

Os lavoureiros, trabalhadores que colhiam os grãos de café, inspiraram a fantasia do segundo casal de mestre-sala e porta-bandeira, Marcos Vinicius Cordeiro e Lyvia Ferreira.

 

A riqueza produzida pelos cafezais, o ouro verde, deu origem à segunda alegoria da escola, que era quase um convite a um cafezinho, com xícaras, bule, flores e a torrefação do grão que mudou o cenário da cidade.

 

1950 a 1970 – Era Industrial: a capital da moda capixaba

Com a crise do café, a economia da cidade precisou se reinventar. No processo de industrialização, vieram as fábricas e confecções.

 

Os alfaiates ganharam uma ala só para eles, seguidos pelo casal mirim de mestre-sala e porta-bandeira da escola, Felipe Bragança e Mirella Falcão, alfaiate e costureira.

 

Os setores de saúde e educação da cidade, com investidores com projeção para além de Colatina, também foram lembrados pela escola.

 

O segundo tripé, “A revolução das máquinas”, reforçou o setor têxtil, que ainda hoje é um dos mais fortes na economia do município.

 

1970 aos Dias Atuais – Colatina, o eldorado onde a arte é engrenagem

Tradições artísticas e culturais da cidade deram o tom do último setor. A viola caipira, enaltecida pelo maior festival da região Sudeste, o Fenaviola, eternizou o som tão característico do interior do país.

 

A festa do Sagrado Coração de Jesus, padroeiro da cidade, também foi representada, bem, como a Festa do Cafona. O carnaval colatinense, com blocos e agremiações que desfilam na Avenida Beira Rio, foi levado ao Sambão do Povo, com uma coleção de estandartes.

 

Encerrando o desfile da MUG, o terceiro carro fazia uma alusão a uma cidade diversificada e repleta de pluralidade, além do centenário de emancipação, comemorado em 2021. Resta saber se os encantos das terras colatinenses gabaritaram os quesitos avaliados pelos julgadores.

Matéria relacionada

Cariacica + Perto de Você: diversos serviços de cidadania neste sábado (24)

Cariacica + Perto de Você: diversos serviços de cidadania neste sábado (24)

    A população de Porto Novo vai poder conferir diversos serviços de cidadania na 16ª edição do Cariacica + Perto de Você, que acontece neste sábado (24), no antigo

PL de Cachoeiro vai anunciar nome de pré candidato a Prefeitura na próxima 5° feira

PL de Cachoeiro vai anunciar nome de pré candidato a Prefeitura na próxima 5° feira

  Após os dias acelerados na cidade de Cachoeiro, onde o vereador Júnior Corrêa (PL) decidiu retirar seu nome da disputa, o PL agiu rápido e vem arquitetando seu palanque

Assembleia Legislativa do Espírito Santo celebra 150 da imigração italiana com exposição interativa

Assembleia Legislativa do Espírito Santo celebra 150 da imigração italiana com exposição interativa

  A Assembleia Legislativa do Espírito Santo inaugura no dia 21 de fevereiro a exposição "Camata - A Voz da Imigração Italiana", uma experiência única que homenageará o saudoso líder

As mãos de Ferraço no episódio Juninho Correa, será?

As mãos de Ferraço no episódio Juninho Correa, será?

  Fontes revelaram que o ex-prefeito e atual deputado estadual Theodorico Ferraço foi na desejada macieira do Partido Liberal cachoeirense (PL), pegou a bela maçã, poliu e a jogou no

Primeiro dia do Carnaval no Centro de Vitória reúne 100 mil pessoas

Primeiro dia do Carnaval no Centro de Vitória reúne 100 mil pessoas

  O início do Circuito da Folia na capital capixaba foi marcado pela presença de aproximadamente 100 mil foliões, celebrando o início do Carnaval. Uma iniciativa inédita da Prefeitura Municipal

Assembleia retoma sessões ordinárias com 32 projetos na ordem do dia

Assembleia retoma sessões ordinárias com 32 projetos na ordem do dia

  A primeira sessão ordinária de 2024 da Assembleia Legislativa do Espírito Santo (ALES) ocorre nesta terça-feira, 6 de fevereiro, às 15 horas. O presidente da casa de leis capixaba,

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima